Yin Yoga – Postura do Dragão

Das várias posturas desta prática, escolhi descrever brevemente algumas características relacionadas à posição do dragão. Muitas vezes difícil, e não tão amada pelos alunos do yin(!) esta postura traz benefícios tanto físicos, como emocionais e mentais.
Por sua dificuldade, inúmeras variações podem ser utilizadas durante as aulas. Eu particularmente, uso esta posição nas transições para sequências mais dinâmicas das aulas de Yin Yang.

blog03_1

Dependendo da variação usada, esta postura acessa as articulações do quadril e tornozelo, bem como a musculatura da virilha e principalmente dos flexores do quadril.
Semelhante às definições yin e yang, a medicina chinesa e seu sistema de atribuição de energia aos órgãos também é pareado da mesma maneira: em órgãos sólidos (yin) e órgãos que possuem um espaço ‘vazio’ (yang). Neste caso, meridianos que correm ao longo destas áreas estão relacionados com os órgãos baço (sólido – yin) e estômago (vazio – yang).

Baço:
Este órgão está associado com a remoção de células velhas da linhagem vermelha e com a produção e armazenamento de células da linhagem branca, os linfócitos. Estes tem função terapêutica e parte importante no funcionamento do sistema imune.
Acredita-se que a o baço seja a fonte de energia para outros órgãos do corpo, pois extrai nutrientes de alimentos e líquidos ingeridos e os converte em sangue e chi. Por isto, quando o chi deste órgão está desequilibrado, o organismo todo pode entrar em desarmonia, desencadeando um bloqueio energético generalizado de chi.

Estômago:
É o órgão primário da digestão, recebendo alimentos e iniciando o processo de assimilação e distribuição. Os nutrientes utilizáveis são enviados para o baço e os que precisam ser ainda filtrados vão para o intestino.
O estômago tem uma valiosa função pois recebe alimentos e água para funcionamento saudável de nosso corpo. A alimentação saudável leva a manutenção das funções (fluxo e qualidade) adequadas de chi.

Qualidades Energéticas, Emocionais e Mentais
Pela importância no transporte e transformação de nutrientes, quando há desarmonia nas funções de chi do baço e estômago, o corpo e a mente não recebem a devida energia, o que pode levar à letargia, cansaço e fraqueza. Os ritmos de sono, respiração e pensamento estarão fora de sincronia.

Na sua disfunção podem aparecer problemas digestivos, falha no processo de desintoxicação e rigidez da fáscia ao redor do estomago. Diz-se que o desenvolvimento de úlceras, gastrite, anorexia, obesidade e até mesmo infertilidade e a sensação de estarmos ‘fora do eixo’ podem ser indícios de que o chi (baço e estômago) esteja deficiente.

A função do chi destes órgãos é associado ao elemento terra e a sensação de estarmos confortáveis com nós mesmos. Está também associado à conexão com o mundo a nossa volta, quando transformado os alimentos ingeridos no que somos. Esta capacidade de adaptação está relacionada com níveis de espontaneidade, habilidade de avaliar situações e responder às mesmas adequadamente. A qualidade e fluxo de chi destes órgãos está associado com a nossa capacidade de estarmos contentes, com a habilidade de estar bem e de aceitar os desafios do dia-a-dia.

Disfunções deste chi estão associadas ao desenvolvimento de ansiedade, nervosismo, tendências obsessivas, preocupações excessivas e inflexibilidade. Já quando as funções deste chi são adequadas, nosso comportamento transparece com equanimidade, com pensamentos claros, coerentes e discriminados.

Apesar das demandas do nosso cotidiano, o estilo de vida e a prática do yoga, através de diferentes ferramentas, nos mostra a importância de manter o corpo ativo, nos alimentarmos de maneira saudável e moderada, e respeitar o ritmo e processos do nosso corpo.

Nos vemos no tapetinho!
Marina x

Fonte: ‘Insight Yoga’ – S. Powers
‘The Complete Guide to Yin Yoga’ – B. Clarke